Lurdez da Luz traça paralelos entre poesia, constelações e SP

Estreia será no Sesc Belenzinho e com participações de Xênia Freitas e  Marietta Vital

Lurdez escolheu a história de São Paulo como foco do novo show
Lurdez escolheu a história de São Paulo como foco do novo show Anna Bogaciovas/Divulgação


No mês que vem, a rapper Lurdez da Luz estreia um novo show para  o lançamento do single Acrux, cuja letra é inspirada na estrela da constelação Cruzeiro do Sul que reprenta o estado de São Paulo, na bandeira do Brasil, além de lembrar o peso que é viver em São Paulo, uma metrópole tão cheia de desigualdades e contrastes, onde cada um carrega a própria cruz.

Como sempre, a produção musical da Lurdez da Luz é carregada de energia e leva a reflexões e novos horizontes. O show também faz um balanço dos últimos anos da artista com releituras de músicas marcantes. Os novos arranjos foram feitos pela dupla de produtores PParalelo, que estão com a Lurdez há três anos. O repertório do álbum Bem-Vinda, lançado no ano passado, quando nasceu a filha Pérola Rosa, aparece em destaque no show.

O show será no Sesc Belenzinho, no dia 18 de agosto, a partir das 21h. O Sesc fica na rua Padre Adelino, 1.000, no Belenzinho, zona Leste da capital. 

Lurdez também preparou lembranças mais antigas, porém, atualíssimas para o espetáculo. A música Trilhos, composta há 17 anos, fala sobre a vizinhança do bairro da Luz [quebrada onde ela cresceu e que incorporou ao sobrenome artístico] e as artimanhas desumanas de higienização da região da Cracolândia com o objetivo e entregar a área para a especulação imobiliária.

Para o show no Sesc Belenzinho, Lurdez recebe como convidadas especiais as cantoras Xênia França (do grupo Aláfia) e Marietta Vital (filha do Guilherme Arantes). Confira a entrevista exclusiva com a Lurdez da Luz. 

R7: Do EP Bem Vinda (2016) para este show novo, quais foram as mudanças na sua vida e carreira?

Lurdes da Luz: Na vida foi radical, e nem sobrou tempo pra carreira (risos), minha filhota tá com 1 ano, tenho menino de onze anos, e sem familia perto pra ajudar, você imagina... Mas não fizemos um show de lançamento oficial do Bem Vinda, daí pensamos já passou um certo tempo e tanto eu quanto a banda estávamos bem afim de recontar o repertório.  Tipo escolher as dez mais e colocá-las todas na mesma estética. Vai ser um show mais eletroacústico, vamos tirar um pouco a mão do eletrônico.


R7: Você preparou músicas novas para o show?

Lurdes da Luz:  Sim, tem um single novo chamado Acrux, como todas minhas músicas num tem um tema assim de redação linear, né. É o fluxo da poesia que sobe, desce e num para não (risos).  Mas comecei a pirar nesse símbolo que é a estrela Acrux, que representa São Paulo na bandeira do Brasil. Ela é tida como a mais brilhante do Cruzeiro do Sul. Disso veio a ideia sobre o peso que é viver em São Paulo e a ideia cristã da cruz que carregamos na vida. E da crucificação em sentido figurado, e até literal, das minas mesmo de São Paulo pagando de "moderna".  Fora esse som, vou declamar algumas coisas que tenho escrita e vai rolar uma projeção de imagens de São Paulo, não o cartão postal mas em detalhes e cenas, uma perspectiva as vezes não tão evidente da cidade.


R7: Como foi a escolha do repertório pro show novo?

Lurdes da Luz: Foi pelas músicas que mais gostamos de fazer ao vivo, e as que tem a ver com a temática que a gente quer seguir. Temos aquelas que tem São Paulo claramente nas linhas e algumas que mais subliminarmente. Vai ter coisa desde o começo da minha carreira até algumas faixas do EP Bem Vinda.


R7: Quem são as cantoras que você convidou para participar do show contigo?

Lurdes da Luz: São cantoras que, além do timbre de voz e dom pras melodias, eu gosto bastante por conta das ideias. Fora uma ligação pessoal, com a Xênia França vou fazer uma versão de "Ela é favela", uma música que não faço nos shows, mas que é uma parceria minha com o grupo Aláfia. E com a Marietta Vital  com certeza vamos fazer "Desse Jeito" e alguma experimentação que estamos vendo se rola.