Rap Plus Size faz campanha para financiar novo videoclipe

Grupo é referência nacional no combate à gordofobia e o preconceito

Issa e Sara formam a dupla Rap Plus Size
Issa e Sara formam a dupla Rap Plus Size Adriana Yamamoto/Divulgação

O Rap Pluz Size é uma dupla de hip-hop formada por Issa Paz e Sara Donato responsável por uma importante renovação nas temáticas do rap nacional, justamente em um momento que a cena estava se afastando da crítica social. As duas rappers foram fundamentais na projeção nacional das letras contra a gordofobia e outros preconceitos.

No ano passado, o duo lançou o ótimo álbum independente criticando com talento e acidez  a onda de fixação pela aparência e padronização estética. O som do Rap Plus Size conquistou espaço e teve repercussão nacional ajudando no empoderamento e autoestima dos gordos. Além, é claro, de fortalecer a presença feminina no rap.

Agora, a dupla preparou uma campanha de financiamento coletivo para bancar a produção, gravação e finalização, com equipamentos de alta qualidade, do videoclipe da música  O Pano Rasga. As recompensas oferecidas pela Sara e pela Issa são bem legais e o prazo para colaborar termina no dia 15/8.

A meta da campanha é chegar em R$ 21.244. Metade da grana vai cobrir as despesas do videoclipe. O restante vai pagar a prensagem de mais um lote de mil CDs da dupla e as custas da campanha. Confira aqui mais informações sobre a vaquinha e como colaborar.

R7: Como está a repercussão do álbum que vocês lançaram em 2016?

Issa Paz: Esta muito positiva.Um ano depois e ainda temos um alcance significativo. O carinho do publico é muito grande. Nossa musica acolheu essas pessoas e agora nos sentimos acolhidas por elas.

R7: Depois que vocês surgiram com o álbum, a luta contra a gordofobia ganhou visibilidade e vocês também fortaleceram o empoderamento feminino. Vocês esperam ter essa resposta positiva já no primeiro trabalho?

Issa Paz: Na realidade essa visibilidade é algo que queremos desde o começo, ainda é uma pauta pouquissimo falada e nossa meta era atingir as mulheres assim como nós e passar a visao de empoderamento.

R7: Como vocês se conheceram e decidiram formar a dupla?

Issa Paz: Nos conhecemos em 2011 e firmamos uma amizade muito sincera e leal, envolvendo Rap, feminismo, a luta contra a gordofobia e nosso próprio empoderamento pessoal. Em 2015 decidimos fazer o disco porque temos muitos pontos em comum, e ai em 2016, Sara se mudou pra São Paulo e começamos a gravar o disco.

R7: Por que vocês escolheram a faixa O Pano Rasga para virar videoclipe?

Issa Paz: Esse é um som muito importante pra gente. As pessoas se identificam muito com esse som. Principalmente as mulheres quando denunciam seus agressorese abusadores e são silenciadas pelos "amigos" deles. Essa é a famosa "passada de pano" mas não vamos aceitar mais essas ideias, pois o pano rasga.

R7: Quem vai dirigir o videoclipe? O roteiro já foi escrito?

Issa Paz: O roteiro, a direção e toda a produção ficará por conta da DMNA, nossa produtora e selo independente, formada apenas por mulheres. O roteiro ja esta pronto e esperamos fazer como o planejado.

R7: A campanha pretende arrecadar R$ 21,2 mil; com os custos das recompensas, tiragem de mais mil CDs e etc, sobrariam cerca de R$ 11,5 mil para a gravação. É um orçamento ainda apertado, por isso, qual a estratégia de vocês para fazer um videoclipe de qualidade?

Issa Paz: Contamos com uma equipe excelente de videomakers, editoras e produção. Confiamos.no potencial da DMNA para fazer o clipe com maxima qualidade. O que vai fazer total diferença são os equipamentos de ponta que usaremos na gravação.

R7: Qual a previsão de tempo para a gravação do videoclipe após a campanha e o lançamento dele?

Issa Paz: Apos a campanha faremos a entrega das recompensas num prazo de até 30 dias, apos isso daremos inicio às gravações.. esperamos q fique pronto em até 15 dias. A meta é lançar em Outubro.

R7: O Rap Plus Size também está servindo de inspiração para aumentar a diversidade no rap? Vocês percebem isso no contato com os fãs?

Issa Paz: Acho que muita mina que nao curtia Rap agora curte e aprecia o trampo inclusive de outras minas, isso é muito louco. Mostra que realmente fazemos essa diversidade na cena, agora vejo mulheres gordas em show de rap e antes nao via.. pelo ambiente masculinizado e hostil.

R7: O CD também foi uma empreitada independente de vocês. Como foi essa batalha? Quanto tempo demorou até conseguir colocar o disco na rua?

Issa Paz: Ficamos seis meses preparando o disco, escrevendo e gravando, nao tinhamos dinheiro então íamos pra rua vender os CDs da Issa, A Arte da Refutação. Literalmente vendiamos a janta pra comprar o almoço mas conseguimos gravar tudo e colocar esse lindo trabalho na rua.