Fã retirado de show do Coldplay em SP ganha ingresso para ver banda

Gabriel foi envolvido em um caso caracterizado como racismo 

Gabriel no avião a caminho do show
Gabriel no avião a caminho do show Reprodução/Facebook

Gabriel dos Santos Silva, que foi retirado por policias do show do Coldplay na última terça-feira (7), no Allianz Parque, em São Paulo, em um caso caracterizado como racismo, conseguiu realizar o sonho de rever a apresentação da banda inglesa.

Amigos do rapaz se mobilizaram por meio das redes sociais para que ele conseguisse assistir ao espetáculo realizado em Porto Alegre (RS), no último sábado (11). Gabriel ganhou o ingresso, passagem aérea de ida e volta e hospedagem. 

No entanto, a empreitada não foi fácil. A jornalista Ana Rodrigues, amiga de Gabriel, contou ao R7 que se uniu a outros amigos e juntos compraram o ingresso no valor de R$ 1 mil. Faltava, porém, as passagens aéreas. Ana pesquisou e viu que por menos de R$ 2.500 não conseguiria comprar.

— Foi quando apareceu um piloto da Azul Linhas Aéreas oferencendo um bilhete para Gabriel. Tratava-se de um benefício do funcionário dado pela empresa que foi repassado. Mas como o bilhete era de standby, os voos estavam lotados, e ele não conseguiu embarcar nos dois primeiros. 

Ana contou o que aconteceu mais à frente. 

— Foi então que entraram mais dois anjos na história: Mariana e Elisa, agentes do aeroporto de Viracopos. Gabriel foi reconhecido na fila, e os passageiros do voo já estavam planejando escondê-lo no bagageiro pra ele chegar, mas ele pegou o último lugar, no voo das 9h30 para Porto Alegre. Entrou no avião e foi recebido com comemoração de todos os passageiros!

Gabriel, então, realizou seu grande sonho: assistiu Chris Martin, Jonny Buckland, Guy Berryman e Will Champion ao vivo. Foi o show da vida dele, segundo a amiga.

Sensibilizados com a história do rapaz, os pais de uma velha amiga de Gabriel, Helena Vasconcellos, que moram em Porto Alegre, ofereceram hospedagem a ele. Milhas aéreas doadas pelo amigo Marcelo Pan garantiram a volta para casa, em São Paulo, onde mora. Ana disse que ficou bastante emocionada com tudo que aconteceu.

— Foi uma corrente tão enorme. É tanta gente para agradecer. A maioria das pessoas que nos ajudaram, nossa, eu nunca vi a cara. Gratidão, isso é o que eu sinto! A grana que sobrou de uma vaquinha que fizemos, vamos fazer alguma doação para algum projeto social. Essa é nossa ideia inicial.

Gabriel, que no momento não pretende falar à imprensa, agradeceu o apoio recebido por meio de um post no Facebook.

— Eu não tenho palavras agradecer a cada palavra de conforto e incentivo. Nada é em vão. Que todos que sofrem repressão ou preconceito, independentemente de cor, credo ou orientação sexual, tenham voz. Permaneceremos unidos.

Gabriel sendo algemado e preso por policiais
Gabriel sendo algemado e preso por policiais Reprodução/Facebook

Entenda o caso

No dia 8 de novembro, Helena Vasconcellos, amiga de Gabriel, fez um desabafo na rede social explicando que o amigo estava no show, realizado no Allianz Parque, na capital paulista, quando duas mulheres afirmaram que ele estava na frente delas durante a apresentação e chamaram a polícia. As autoridades, então, retiraram o fã do local e o autuaram por desacato.

— Gabriel apanhou, foi algemado, preso e agora responde a Termo Circunstanciado na 1ª Delegacia de Atendimento ao Turista de São Paulo por desacato à autoridade. E vocês ainda acham que não existe racismo em 2017?

Segundo ela, um boletim de ocorrência foi registrado na Corregedoria da Polícia Civil para apurar a conduta dos policiais e eles estão aguardando a liberação das imagens do estádio para "melhor" averiguação.