"O coração dela está no último CD", diz líder da banda de Sharon Jones

O baixista Bosco Mann conversou com o R7 sobre disco póstumo

Sharon em seu último show em São Paulo, em 2015
Sharon em seu último show em São Paulo, em 2015 Francisco Cepeda/AGNews

Morta em novembro de 2016 devido a um câncer, Sharon Jones é homenageada no disco póstumo, Soul of a Woman. O recém-lançado trabalho retrata os últimos momentos em estúdio da cantora de 60 anos.

Mais do que um apanhado de sobras da carreira, a americana havia gravado algumas músicas inéditas antes de sua morte prematura, como confirma o baixista e líder da banda The Dap-Kings, Bosco Mann.

— Definitivamente, não há restos no disco. A banda sempre trabalhou em estúdio entre as turnês e esse registro não foi diferente. No começo, planejávamos gravar um álbum com arranjos de orquestra, mas quando Sharon ficou doente, decidimos que isso seria feito como um show. O resultado foi um CD que é uma combinação da nossa energia viva e indomável e o trabalho mais elaborado de estúdio.

Sharon foi descoberta aos 40 anos
Sharon foi descoberta aos 40 anos Reprodução/Instagram

Sharon nasceu na Georgia, nos Estados Unidos. E, apesar de ter mostrado o vozeirão logo cedo, ela só atingiu a fama depois dos 40 anos.

Bosco diz para o R7 que a cantora deu tudo de si em seu derradeiro trabalho.

— Você está ouvindo Sharon e a banda no "topo absoluto do jogo". Eu não acho que já gravamos um registro que tenha tanta energia quanto esse. Ela realmente colocou seu coração nesse álbum e as pessoas vão sentir isso.

O baixista também relembra a amizade de quase 20 anos com a diva.

— Ela era como uma irmã que eu amava muito. Nós tivemos uma ótima ligação, sendo que eu sempre fiz o possível para dar apoio para que ela se tornasse aquela "super-mulher".

Sharon e o líder da banda The Dap-Kings, Bosco Mann
Sharon e o líder da banda The Dap-Kings, Bosco Mann Reprodução/Instagram

Sharon Jones esteve duas vezes no Brasil. Em 2015, em sua última vez no País, ela havia gravado um disco e estava comemorando uma das batalhas contra o câncer. Bosco relembra dos bons momentos por aqui.

— Cara, foi "explosivo" quando passamos por aí. Na primeira vez, nós terminamos em uma festa do Seu Jorge, que foi demais. Em outra ocasião, lembro da Sharon e toda a banda comendo feijoada na casa da família da amiga Adriana Moreira. Além disso, conhecemos músicos brasileiros realmente bons nessas passagens.

"Em quase 20 anos, Sharon Jones foi como uma irmã que eu amei muito"
Bosco Mann

Quanto ao futuro do grupo, o líder dá um recado para os fãs.

— O Dap-Kings ainda é a "banda mais durona da Terra". E continuaremos fazendo música individualmente e juntos de qualquer maneira que o universo nos oferecer.

Assista abaixo ao clipe póstumo de Sharon Jones: