Banda vai lançar sete músicas inéditas de Renato Russo

Urbana Legion é formada por ex membros do Tihuana e Charlie Brown Jr

Urbana Legion: banda está há quatro anos na ativa
Urbana Legion: banda está há quatro anos na ativa Divulgação

Há exatamente 21 anos, Renato Russo morria por complicações relacionadas ao vírus HIV. Mas nem a passagem de mais de duas décadas foi capaz de apagar a influência icônica do cantor na música popular brasileira.

Até por conta disso, desde a morte do líder da Legião Urbana, os fãs sempre aguardam a descoberta de alguma material inédito de Renato.

Recentemente, o filho do cantor, Giuliano Manfredini, resolveu doar todo o acervo do pai ao Museu da Imagem e do Som no Rio de Janeiro e encontrou no meio dos arquivos letras ainda não musicadas, manuscritos e até ensaios teatrais nas caixas que ficavam no apartamento do músico desde sua morte.

Sete dessas letras foram repassadas à banda Urbana Legion. Formada por Egypcio, PG, Marcão e Lena — ex-integrantes do Tihuana e Charlie Brown Jr. — a banda teve o desafio de gravar esse material sem destoar conceitualmente da obra da Legião e muito menos soar como uma paródia da banda.

Segundo o vocalista Egypcio, foi difícil encontrar uma linguagem que respeitasse essas exigências. Durante a fase de criar os arranjos e melodias para as letras, o músico diz que a tarefa literalmente tirou seu sono.

"Passei noites em claro para criar melodias e até encontrar uma maneira de cantar adequada"
Egypcio

— Tivemos o prazer de receber esse presente do Giuliano no fim de 2016. Com quatro anos de carreira e fazendo tudo sempre com a autorização dele, percebemos ali que conquistamos o respeito do único herdeiro do Renato. Mas não foi fácil. Passei noites em claro para criar melodias e até encontrar uma maneira de cantar adequada para as letras.

Renato Russo: sete letras inéditas serão gravadas pela banda
Renato Russo: sete letras inéditas serão gravadas pela banda

A primeira música dessa safra de inéditas foi Apóstolo São João, lançada no fim de março e que já atinge um milhão de visualizações. No início de outubro, saiu Mariane 2.

— A ideia com essas músicas é atender a demanda por coisas novas dos fãs antigos e apresentar a obra do Renato para os mais novos. Hoje, a música está muito superficial e tudo que a Legião fez tinha esse cuidado para não ser óbvio e nem banal.

Trabalho paralelo virou principal

Embora tenha sido aceita no circuito de shows tributo, a Urbana Legion surgiu como um projeto de curto prazo. A ideia era fazer alguns shows tributos à banda e acabar.

Mas a união dos músicos deu certo e eles já estão à frente do grupo há quatro anos.

Nesse meio tempo, Egypcio até deixou sua banda de origem, o Tihuana, junto com o baterista PG. Já Marcão, ex-guitarrista do Charlie Brown Jr., convocou a baixista Lena, que tocou ao lado dele na A Banca, para compor o quarteto.

"Eu até quis convidar o Dado e o Bonfá para o Urbana Legion, mas eles não toparam"
Egypcio

Desde então, o grupo só fez uma pausa, justamente em 2016, quando Dado Villa Lobos e Marcelo Bonfá se uniram a André Frateschi para ressuscitar a Legião Urbana. Egypicio conta que a atitude foi tomada para não competir com os membros originais do grupo, o que seria antiético.

— Eu até quis convidar o Dado e o Bonfá para o Urbana Legion, mas eles não toparam. Eles são meio fechados e na deles. Mas pelo menos conseguimos trazer outros roqueiros para cantar com a gente em alguns shows, como o Supla.

Nos próximos dois anos, ele avisa que pretende soltar mais cinco músicas inéditas de Renato com a Urbana Legion. No fim do processo de revelação dessas letras, a banda gravará um EP em vinil com as sete faixas.

— Vamos tentar manter viva a memória da Legião, já que hoje vivemos um momento em que os jovens não conhecem nem tem interesse para ouvir bandas antigas. Quantas jovens conheci que nem sabiam o que era Legião, Tihuana e Charlie Brown Jr?

Em paralelo à Urbana Legion, Egypcio diz que pretende lançar uma nova banda em 2018.

— Saí do Tihuana sem briga, mas não estava mais empolgado com a banda. Tivemos altos e baixos, sucessos e fracassos. Enfim, foi divertido enquanto durou. Mas estou em outra. E os caras também. O Baía já tinha saído para o projeto de música eletrônica dele, o Roman tem programa em rádio e o Leo voltou a estudar. Então, o PG e eu seguimos nosso caminho na Urbana Legion.