Mãe separada tem todo o direito de recomeçar

Reações ao namoro de Aline Gotschalg revelam machismo enraizado

Nem todo mundo é Brumar e quer voltar. Bola pra frente, Aline!
Nem todo mundo é Brumar e quer voltar. Bola pra frente, Aline! Reprodução/Instagram

Enquanto todo mundo ficou aí enaltecendo a volta de Brumar, de Jelena e até de Katy Perry e Orlando Bloom, o que mais me chamou a atenção nesse comecinho de 2018 foi a saraivada de ofensas recebidas pela ex-BBB Aline Gotschalg ao compartilhar, no réveillon, uma foto com um novo namorado, um mês após se separar do também ex-BBB Fernando Medeiros. 

Pais de Luca, de 1 ano e 9 meses, Fernando e Aline viveram um relacionamento tórrido dentro do BBB 15. Quando ela foi eliminada, Fernandão se atracou com Amanda Djehdian, num caso de puro constrangimento. Fora do reality, Fernando voltou para Aline, os dois se casaram e foi aquela alegria para os fãs da dupla. Mas, pelo que comentam os seguidores, o rapaz nunca se emendou. 

Aline resolveu dar um basta, se separou em novembro, passou o Natal com o filho e, no réveillon, foi para Trancoso, onde compartilhou a foto ao lado do empresário carioca Geraldinho Souto. Pronto. Foi o que bastou para que viesse à tona todo o machismo socialmente enraizado. Segundo a cartilha dessas "pessoas de bem", uma mulher separada e mãe não poderia estar demonstrando tamanha felicidade.  Os comentários foram dos xingamentos puro e simples até julgamentos sobre o comportamento de Aline. 

— Assumiu o namoro porque tava na farra. Se estivesse com o filho, tinha que dormir cedo.
— Mudou de cara em 2 meses, vagabunda mesmo nem respeitou o cara. 
— Nossa mal esfriou com um e já está com outro?
— Eu torço pros dois voltarem.
— Eita não entendo um dia desses amava um agora já ama outro?
— Troca de amor como troca de roupa
— Exemplo do que não fazer!
— Oxe , rapidinha Aline e já é amor?
— Por isso existe a palavra vagabunda.
— Em um mês já ama? Não esquece que amor é eterno e não rotativo. Essa super exposição é desnecessário.

Mas algumas vozes sensatas se levantaram em defesa da ex-BBB. "Todo mundo tem o direito de ser feliz." "Ela não é vagabunda não! Ela só está sendo feliz, e ela pode amar quem ela quiser e quantas vezes ela achar que vai ser feliz! Simples assim." "Ela não tá fazendo mal para ninguém." "Certíssima! Que seja feliz! Ninguém sabe da sua vida pra ficar te julgando."

Infelizmente, o que o episódio deixa transparecer é que, para a grande maioria, a mulher que termina um relacionamento, principalmente se já for mãe, tem de ficar no celibato, seguindo um pensamento machista, antiquado e preconceituoso. O que essas pessoas ainda não perceberam é que cada um sabe da sua própria história, da sua vida e todos, homens e mulheres, têm o direito de refazer seus caminhos após uma separação, seja no tempo que for. Trocar de homem rápido não é ser vagabunda, pode acontecer. Os homens, sabemos, costumam ser muito ágeis na troca, mas ninguém xinga de canalha ou chama de pilantra. 

Aos que acreditam que nenhum amor acaba da noite pro dia vale o lembrete de que nem tudo que eles viviam eles postavam. O que está nas redes sociais não é, necessariamente, o que se passa na vida de um casal. Que cada um tenha o direito de encontrar um novo amor, sem ser julgado por isso.