Lucas Lucco é vítima de homofobia ao lançar clipe com Pabllo Vittar

Cantores lançaram parceria com clipe da música Paraíso, onde trocam carícias em cenas quentes filmadas no litoral baiano

Lucas e Pabllo em cena do clipe Paraíso

Lucas e Pabllo em cena do clipe Paraíso

Divulgação

A cada novo clipe lançado por Lucas Lucco, fica claro que a intenção do cantor é se afastar cada vez mais do segmento sertanejo (mercado que o revelou, mas um gênero que, de fato, ele nunca cantou).

Com a música Paraíso, uma parceria com Pabllo Vittar, isso fica ainda mais evidente. Se existia algum elemento que ainda o identificava com o sertanejo em trabalhos anteriores, nesse vídeo o cantor abandonou de vez qualquer conexão com o estilo.

Com uma estética totalmente voltada ao pop, a composição é feita para bombar nas pistas e nas baladas GLBT.

Lucas, aliás, não teve o menor pudor de criar um clipe onde sensualiza com Pabllo em cenas quentes filmadas no litoral da Bahia.

Nas imagens, o cantor aparece abraçando e flertando com ela. A inesperada interação entre os dois mostra um Lucas Lucco despido de preconceitos e pouco preocupado com a repercussão que isso pudesse causar.

Afinal, com essa tendência de se aproximar cada vez mais do pop, o cantor parece estar em total acordo de fazer o jogo do segmento e ser menos careta que no passsado. Sai de cena o Lucas quase infantilizado de Momozão e surge um novo personagem, mais maduro, fiel às próprias vontades e conectado com sua geração. O que sugere que talvez ele tenha mais liberdade para escolher o que grava.

Mas claro que isso acabou gerando um mau estar entre o público antigo do cantor. Os mais conservadores e conectados com o sertanejo, gênero que dialoga cada vez mais com o público gay, mas que ainda é majoritariamente hétero, detonaram a parceria no campo de comentários do YouTube.

Lucas, no entanto, não deve estar preocupado com a decisão. Em entrevista ao Fantástico, no último domingo (28), ele mostrou suas intenções daqui para frente: "Neste ano de 2018, quero ser uma espécie de cola, sem rótulo, sem gênero".

A proposta mostra coragem da parte do cantor, que troca a certeza de se contentar com o lucrativo meio do sertanejo universitário, — onde ele seria só mais um —, para tentar o sonho de ser um astro pop masculino no Brasil, lacuna que é disputada por Nego do Borel, Kevinho, Alok e Luan Santana. Mas que ninguém ainda ocupou de fato.