TV e Entretenimento Record TV vence Prêmio Rei da Espanha de Jornalismo

Record TV vence Prêmio Rei da Espanha de Jornalismo

Série Piratas da Amazônia, exibida no "Câmera Record", mostrou conteúdo exclusivo sobre o sequestro do casal de americanos

Record TV vence Prêmio Rei da Espanha de Jornalismo

Matéria premiada foi ao ar no Câmera Record em 2018

Matéria premiada foi ao ar no Câmera Record em 2018

Reprodução/Record TV

A Record TV teve o trabalho jornalístico reconhecido ao ganhar, mais uma vez, o Prêmio Rei da Espanha de Jornalismo. A emissora venceu na categoria Televisão com a série Piratas da Amazônia, exibida no Câmera Record

A 36ª edição da premiação, formada por um júri internacional de sete especialistas, destacou os furos da reportagem Piratas da Amazônia e as dificuldades de conseguir o material exclusivo. Além disso, a estética diferenciada na captação, a edição e a linguagem utilizadas na matéria foram exaltadas.

O júri se reuniu na sede central da Agência EFE, nesta quarta-feira (30), e avaliou os 200 trabalhos vindos de um total de 18 países.

Em 2016, foi a primeira vez que a Record TV conquistou o prêmio, considerado o maior de jornalismo do mundo nas línguas espanhola e portuguesa. Na época, a matéria Eternas Escravas foi a vencedora.

A série agora premiada da Record TV exibiu detalhes inéditos sobre o sequestro do casal de americanos na Amazônia, caso que repercutiu no mundo inteiro. Adam Harteau, de 39 anos, Emily Faith Harteau, de 37, e as filhas, de 3 e 7 anos, foram atacados por assaltantes, chamados popularmente de "piratas". A família ficou dias desaparecida, porém conseguiu sobreviver ao ser encontrada na floresta por ribeirinhos.

O Câmera Record entrevistou Adam e Emily, que contaram detalhes até então desconhecidos das autoridades brasileiras, além de conversar com os moradores que os salvaram. 

A equipe do programa também acompanhou, com exclusividade, a operação da Polícia Civil para prender o pirata que participou do assalto e sequestro da balsa onde estavam os americanos. Identificado como Anderson Lobato, ele fazia parte de uma quadrilha de piratas que aterrorizava comunidades ribeirinhas na Ilha de Marajó, no Pará. O jornalístico conseguiu identificar os assaltantes e ter acesso exclusivo a imagens deles em ação. 

Veja abaixo a série de reportagens Piratas da Amazônia:

.

    Access log