TV e Entretenimento Zina, ex-Pânico, põe fogo em clínica, foge e volta a usar drogas

Zina, ex-Pânico, põe fogo em clínica, foge e volta a usar drogas

Informação foi confirmada pela irmã dele, Cleonice Pereira da Silva; ele tem voltado para casa toda noite e trabalha como puxador de loja

Zina foge da clínica de reabilitação

Zina estava internado desde o dia 11 de janeiro de 2018

Zina estava internado desde o dia 11 de janeiro de 2018

Edu Garcia/R7 - 31.01.2018

Zina, ex-integrante do Pânico na TV, fugiu da clínica de reabilitação em que estava internado em Mairinque, a 70 km de São Paulo. A informação foi confirmada pela irmã dele, Cleonice Pereira da Silva. Abalada, ela disse que o irmão apareceu em casa há cerca de um mês e estava bastante transtornado.

Portador de esquizofrenia e dependente químico, o ex-integrante do Pânico também voltou a usar drogas. Cleonice disse que Zina ainda retornou ao centro de São Paulo para trabalhar como puxador de lojas e tem usado o dinheiro que ganha para alimentar o vício.

Diferentemente do que vinha acontecendo até o fim do ano passado, segundo a irmã, Zina tem regressado para a casa todos os dias e segue tomando a medicação indicada.

Luta contra esquizofrenia e dependência química já dura mais de dez anos

Luta contra esquizofrenia e dependência química já dura mais de dez anos

Edu Garcia/R7 - 31.01.2018

Cleonice, que sempre esteve à frente nas tomadas de decisões sobre a saúde do irmão, está emocionalmente desestruturada. Disse que não tem planos sobre o que ainda pode fazer pelo irmão. Há cerca de três meses, em um surto, Zina colocou fogo no quarto em que dormia na clínica, precisando ser transferido para uma outra unidade do local.

Veja também: Zina é visto pedindo esmola em bares, diz jornal

Ela acredita que as internações não têm sido o suficiente para ajudar o irmão, mas é econômica nas palavras a fim de evitar superexposição. Ela ainda disse que tentou falar com a direção do local para reaver os documentos do irmão que ficaram lá, mas que até o momento não teve retorno. 

Veja também: Zina, ex-integrante do Pânico, é flagrado usando drogas em trem

O R7 entrou em contato algumas vezes com a clínica desde terça-feira (3) para que cometassem sobre o assunto, mas até a publicação da reportagem não teve retorno dos responsáveis.

Zina com profissionais da clínica

Zina com profissionais da clínica

Edu Garcia/R7 - 31.01.2018

Em janeiro deste ano, o R7 esteve no local conversando com Zina. Na ocasião ele contou como estava quando chegou na clínica. "Entrei aqui já ‘pêgo’ na cocaína. ‘Tava’ muito cheiradão, louco, numa brisa danada”, lembra. “Eu ‘tava’ terrível, queria porque queria cheirar todo dia, sem parar. Virava 24 [horas] para 48, 48 para 96. Foram quatro dias direto acordado, sem dormir. Só cheirando e bebendo pinga e cerveja”.

Com as pernas agitadas e fala repetitiva, o irmão de Cleonice também se manifestou sobre o que desejava fazer caso recebesse alta. “Eu queria ficar 'limpo' lá fora. Quero sair daqui e fazer um esforço para não usar drogas. Vou pedir a Deus para quando chegar em casa não usar”, disse.

“Ronaldo, brilha muito no Corinthians”

“Ronaldo, brilha muito no Corinthians”

Reprodução/YouTube

Zina ficou famoso na televisão por acaso. Foi entrevistado pela trupe do Pânico na frente do estádio do Pacaembu, em São Paulo, no dia 29 de janeiro de 2009, data em que o ex-jogador Ronaldo, o Fenomeno, estreou pelo Corinthians. Com a câmera focada no rosto e microfone aberto, o ex-humorista soltou uma única frase que se transformaria em seu bordão: “Ronaldo, brilha muito no Corinthians”. Entre repetições da frase e “salves” que enviava para seus amigos, foi nesse dia, por uma simples frase, que a vida de Zina mudou para sempre.